Entre os católicos do Renovamento Carismático a expressão “Baptismo no Espírito Santo” refere-se a dois sentidos ou momentos:

– o primeiro é profundamente teológico. Neste sentido todo o cristão é baptizado no Espírito Santo, pelo facto de ter recebido os sacramentos da iniciação cristã: Baptismo, Confirmação e Eucaristia.
– O segundo é de ordem experiencial e refere-se ao momento ou processo de crescimento pelo qual a Presença Viva do Espírito, recebido na iniciação, se torna sensível à consciência pessoal.

Este uso duplo, à luz da teologia é defensável e não contraria a Exegese Católica, mas não restam dúvidas de que causa certa confusão. (…) A nível do RCC, desde a primeira hora, tanto os iniciadores como a multidão de católicos ligados ao RCC, proclamam que há “um só Senhor, uma só fé, um só Baptismo” (Ef 4,5). A expressão geralmente designa aquela experiência espiritual pela qual, o Espírito Santo, recebido por infusão no Baptismo, emerge como realidade vital na consciência do cristão. (…)

Na América, a expressão “Baptismo no Espírito” encontrou ampla aceitação nos meios do RCC. Na Europa, onde o RCC é filtrado por uma profunda análise teológica, pastoral e bíblica, e para evitar equívocos, à realidade espiritual chamada na América “Baptismo no Espírito” designa-se, de modo geral e com maior acerto, com a expressão “Efusão do Espírito”, que adoptámos em Portugal desde a primeira hora.

Na formação que se ministra aos grupos, deve-se explicar e distinguir bem entre: infusão e efusão. No momento do Baptismo, o Espírito Santo foi infundido, derramado no coração do crente-baptizado. A efusão é, pela graça de Deus e mediante a colaboração do baptizado, manifestação-libertação-renovação do Espírito recebido.

J.L.
in:Pneuma nº3