O grupo do Renovamento Carismático e os carismas

Votos de utilizador:  / 0
FracoBom 

 

 

A finalidade dos nossos Grupos de Oração é proporcionar um local e um clima favorável, para que as pessoas que, pelo Renovamento, entraram EM renovamento, tenham um ambiente propício para caminharem em crescimento.

 

Fé firme
Falando de grupos de renovação, poderíamos fazer uma imensa lista: grupos de revisão de vida, grupos de oração, segundo as mais variadas orientações e formas. Num grupo insiste-se na oração litúrgica; noutro, na preparação de um tema ou texto bíblico; noutro, no silêncio e na contemplação; noutro, procura-se a acção concreta ou um compromisso determinado.

No grupo de oração de Renovação Carismática, a característica é uma Fé firme, isto é, uma fé que espera firmemente que Deus realizará o que prometeu. Muitos «CRENTES» não esperam ver realizadas as coisas em que dizem acreditar. Assim, as suas vidas e assembleias cristãs movem-se num nível de fé bastante deficiente.


Jesus prometeu aos seus discípulos, e neles a toda a Igreja, que o Espírito Santo os guiaria na Verdade, os iluminaria em tudo quanto lhes disse (Jo 14,26) que o Espírito viria sobre eles com tanta força e poder, para que d'Ele dessem testemunho com valentia. Se o Espírito está, pois, em cada Cristão, e deseja transformar-nos como indivíduos e como Corpo, devemos reunir-nos, para juntos oferecermos ao PAI, o culto que Ele espera de nós, em «ESPÍRITO E VERDADE» (Jo 4, 24).


O Espírito Santo e os carismas 
Cremos que é o Espírito Santo quem nos congrega na Igreja, e que esta Igreja Universal se manifesta, aqui e agora, neste grupo de crentes reunidos em nome de Jesus (Mt 18,20). É o Espírito de Jesus que nos vai formando mais e mais, no Corpo de Cristo, e realiza através dos Dons Espirituais, os carismas. Se, pois, nos reunimos com esta convicção profunda «NO ESPÍRITO», não poderemos experimentar senão a acção do Espírito, formando, transformando e unificando a comunidade Cristã.


Os carismas manifestam-se na assembleia 
É precisamente através dos seus dons ou carismas que o Espírito actua no grupo de oração. A reunião de oração é o marco adequado para que se manifestem estes dons. S. Paulo insiste no valor dos dons da Palavra, como a palavra de Sabedoria, a palavra de Conhecimento, a Profecia na assembleia cristã (1Cor 12-14).


Todos os dons, tanto os da Palavra, como os da Fé e os de Serviço à Comunidade, procedem de um mesmo e único Espírito. «Segundo a nossa maneira de ver e entender», disse K. Ranagham «os dons do Espírito são acções de Jesus, o Senhor Ressuscitado entre nós, que actua através dos membros do seu Corpo, abertos e dóceis às inspirações do Espírito. São, pois, extensões da actuação da palavra Viva de Deus no meio de nós, de Jesus. E também assim é a proclamação da Escritura, se bem que se pense não ter o mesmo valor.


Docilidade e disponibilidade 
Portanto, nas reuniões de oração é muito importante que todos em geral e cada um em particular participemos procurando o Senhor, e estejamos atentos ao Espírito Santo, na assembleia onde acontece esta Fé expectante na actuação do Senhor pelo Seu Espírito, através dos seus dons espirituais ou Carismas; onde houver grande docilidade e disponibilidade ao Espírito, dar-se-á a manifestação de tais dons, na sua grande diversidade, segundo as necessidades da Comunidade. «Quando vos reunirdes, cada um pode ter um salmo, um ensinamento, uma revelação, um discurso em línguas, uma interpretação, mas que tudo seja para edificar» (1Co 14, 26).


Variedade de dons 
Os dons manifestam-se segundo as necessidades orgânicas da Igreja, da Comunidade. Dom de dirigir a reunião, dom da profecia (1Cor 14, 3), dom de ensinar, dom de discernir. Quando um grupo cresce e se vai transformando em comunidade mais ampla, com um maior raio de influência, o número de dons vai aumentando ou, melhor dizendo, os dons já existentes nos membros da Comunidade vão-se manifestando: dons da palavra, dons da Fé, dons de Serviço a todos os níveis. No Novo Testamento há quatro listas de Carismas com menção explícita e idêntica (1Cor 12, 4-10; 28-31; Rom 12, 6-8; 1Pe 4, 10). Há também 4 listas, que não usaram idênticas menções, que nos dão a mesma ideia: 1Cor 14,6-13; Ef 4,11 e Mc 16, 17-18.


Regra de ouro no uso dos carismas 
Todos os carismas estão ao serviço do Amor, diz-nos S. Paulo (1Cor 13). «Ainda que eu fale as línguas dos homens e as dos Anjos, se não tiver Caridade, sou como o bronze que ressoa, ou como o címbalo que tine». Poderia ter um dos Carismas mais extraordinários, mas se o Cristão não tiver Caridade, se não usar bem o seu dom segundo a Lei do Amor, de nada serve. Porque o Espírito Santo é o mesmo Amor do Pai e do Filho, e todas as suas actuações nos membros do Corpo de Cristo, manifestarão a sua natureza. O Amor contribui, une, dá a vida e vence o mal.


Os grupos de Oração que sabem apreciar e pedir com humildade, mas também com Fé firme os dons espirituais, e os põem ao serviço do Amor Fraterno, verão crescer a Comunidade e darão testemunho com coragem e valentia de JESUS RESSUSCITADO.

 

(KOYNONIA) M. Casanova, S. J.
in: Revista Pneuma nº 6-7

 

 

 [página anterior]