Como vivi a assembleia de 2012

Votos de utilizador:  / 0
FracoBom 

 

 

 

Fátima, Novembro 2012

 

Como vivi o fim-de-semana de 16,17,18 de Novembro, na XXXVIII Assembleia do Renovamento Carismático Católico, Comunidade Pneumavita, orientada pelo Frei Pedro Bravo.

 

O tema escolhido “Ao Senhor nosso Deus pertencem a Misericórdia e o Perdão” interpelava-me de maneira viva, pois, em tempos, vivi uma experiencia espiritual, relacionada com a “Misericórdia Divina”.

É sempre com alegria que aguardo o momento da chegada a Fátima. Casa da Mãe. Lugar especial. Ali, onde o Céu toca a terra. E este ano sentia que seria diferente - a mão de Senhor interveio.

Como sempre costumo fazer, pergunto: “que queres de mim Senhor?”... e a resposta não se fazia esperar: “Quero que sirvas os meus filhos!”.

Nessa envolvência, o olhar do Senhor interpelava a uma mudança de vida e segredava: “não temas! Sou o teu Jesus.”.

 

O orador, Frei Pedro Bravo, escolhido pelo Senhor, era um instrumento dócil, activo e completamente envolvido pelo Espirito Santo.

Cada palestra sua era um convite à conversão, à mudança e essa mudança tinha de ser já, agora. Era como um “ultimato”. Em simultâneo, levava a mergulhar em oração profunda. A harmonia era imensa, não havia distúrbios, a assistência rejubilava de alegria e de paz. Sempre que o Orador rezava em línguas e exortava toda a assembleia a faze-lo, algo de extraordinário acontecia; Jesus envolvia-nos e sentia-se uma grande serenidade.

 

Era indiscritível como essa oração me fazia sentir bem. A dada altura, Frei Pedro dizia: “Deus não quer que rezemos muito…, quer que rezemos sempre”- era como se fosse Jesus a exortar-nos a uma oração contínua.

O coração ia-se preparando para viver as Eucaristias que são sempre momentos especiais. Jesus desce a cada um de nós de forma visível e essa presença era palpável, era fácil senti-Lo.

Sábado dia 17, pelas 21 horas, o Senhor quer “mimar” os seus filhos. Momento de adoração, oração de cura e libertação - toda a assembleia anseia por aquele momento e Jesus, que é pródigo em fazer surpresas, ali estava.

Sentia o Senhor passando pela assembleia, da mesma forma que o fazia aquando estava no meio do Seu povo. Por vezes Jesus ficava junto de cada participante, olhava e aguardava permissão para entrar em seu coração, momento indiscritível.

Louvo o Senhor por tudo quanto se passou desde as Laudes, palestras, até as equipas de serviço. Tudo era harmonia! Sentia como se fosse uma orquestra cujo maestro era o Espirito Santo.

 

Maria das Neves Silva

 

[página anterior]