A minha experiência de vida Carismática

Votos de utilizador:  / 0
FracoBom 

 

 

Quero partilhar com os leitores de Pneuma a maneira como o Renovamento apareceu na minha vida e as graças que ele me trouxe. Sou e sempre fui católica, dos Cursos de Cristandade, da LIAM, do Mor, (Movimento Mariano de Oração e Reparação), etc; mas apesar de estar ligada a diversas actividades de âmbito pastoral sentia uma certa insatisfação, não era porque não gostasse do que fazia, mas porque me faltava aí qualquer coisa muito importante que eu, naquela altura, não sabia o que era. E assim se passaram muitos anos de uma procura incessante de Deus, duma maior intimidade com Ele e com os irmãos. O Evangelho é muito apelativo: "Procurai e achareis, batei e abrir-se-vos-á". Agarrei-me a esta Palava de Deus e tanto procurei, tanto bati que Jesus não resistiu e proporcionou-me um encontro maravilhoso com Ele.

Em 1983, eu nem sabia que existia Renovamento Carismático no mundo e muito menos em Portugal. Um dia, em que me sentia psicologicamente abatida, resolvi inscrever-me num retiro da LIAM que teve lugar na Torre da Aguilha, Cascais. Encontrei lá uma senhora simpática que se aproximou de mim e me falou dessa corrente de graça e me convidou a participar na Assembleia de oração que semanalmente se realizava na casa dos Missio-nários do Espírito Santo, na rua de Santo Amaro à Estrela. Não fiquei muito convencida, mas a senhora teve a delicadeza de me enviar a Revista Pneuma, no meio daquela mesma semana. Li a revista, fiquei entusiasmada com o seu nível espiritual e na terça-feira da semana seguinte fui lá, mais a titulo de curiosidade do que de fé. Foi a noite mais maravilhosa da minha vida.

Fiquei deslumbrada com o que vi, escutei e senti. O Espírito Santo desceu sobre mim em força, naquela bendita noite, agarrou-me de tal forma que nunca mais me pude separar d'Ele. Penso que foi naquela primeiro encontro com o Renovamento que se deu a minha verdadeira efusão do Espírito Santo. O senhor Padre Lapa logo me convidou para fazer parte das equipas de ensinamento e animação. Frequentei as assembleias de oração e louvor durante 14 anos, fiz parte das equipas que ministravam os Seminários de Vida Nova, etc. Ao mesmo tempo liderava um grupo de oração que, com a ajuda de Deus, fundámos em Paço de Arcos, nessa altura, era a nossa paróquia, tendo acompanhado este grupo durante 11 anos. Até que, em 1999, viemos morar para a Caparica, diocese de Setúbal. Logo me senti chamada a fundar um novo grupo de oração intitulado "Grupo Carismático da Imaculada Conceição", na paróquia do mesmo nome, na Charneca da Caparica. Embora não tivesse disponibilidade para assumir a liderança deste grupo, frequento-o e dou-lhe todo o meu apoio.

Hoje reconheço que o que me faltava em todos os movimentos que antes frequentei era o Espírito Santo que já estava em mim, mas que eu não tinha consciência da sua presença. Ele vivia em mim, mas eu não o sabia e, por conseguinte, não lhe dava liberdade para actuar. Na verdade, o Espírito Santo é o carisma por excelência, é o Paráclito prometido por Jesus antes de subir ao Céu. Foi ele que transformou a minha vida, o meu apostolado e me deu a alegria de viver, amando sem medida no Seu próprio Amor. São incontáveis as graças que recebi, mas vou falar apenas daquelas que me parecem mais evidentes, pois como nos dizia o nosso amigo Padre Tardif: - Não devemos calar quilo que Deus faz por nós. - É isso mesmo, espero que vejam neste meu testemunho uma forma de dar glória a Deus, pois é o meu único objectivo. 

A primeira graça que recebi no Reno-vamento foi a descoberta de Jesus Cristo Vivo, feito palavra. Verbo de Deus que um dia se fez carne no seio da Virgem Maria, carregou com os nossos crimes e morreu de amor por nós! Eu já sabia isso antes de estar no Renovamento, mas não o tinha compreendido e interiorizado a sua essência. Foi preciso a graça e a revelação do Espírito Santo para que se tornasse uma vivência, uma realidade actuante.

A segunda descoberta foi uma nova dimensão da Igreja que se reconhece santa e pecadora, uma Igreja que reza no Espírito, que acredita num Deus vivo sempre presente, Jesus que reza em nós e que se oferece constantemente por nós ao Pai, o Espírito Santo Paráclito que nos transforma pela Sua graça santificante.

A terceira descoberta a maior de todas foi a efusão do Espírito Santo pela qual tomei consciência de que é a Sua força que realiza tudo em nós, faz-nos felizes mesmo quando à nossa volta parece que tudo vai mal, o Seu amor enche-nos de confiança e de tranquilidade. 

Outra graça muito importante que colhi no Renovamento foi a liberdade de falar da palavra de Deus em público sem embaraços e respeitos humanos, o que antes da renovação não conseguia fazer porque me preocupava com a minha imagem. Agora, não. Que importa o que os incrédulos possam pensar ou dizer de mim? O que me importa é servir e fazer a vontade de Deus uno e trino, pois n'Ele vivo me movo e existo. Jesus brindou-me também com os carismas do louvor, do canto tradicional e em línguas, dons que me abrem à escuta da Palavra e acolhem a profecia. Além de tudo isto, deu-me, ainda, o gosto pela leitura da Sagrada Escritura, e a adoração de Jesus sacramentado que me faz esquecer de tudo para repousar em Deus.

Foi, também, no Renovamento Carismático que descobri o lugar de Maria na história da Salvação da Humanidade, a sua integração nos planos de Deus, onde Maria aparece como a primeira, a única, a cheia de graça, Mãe de Jesus e nossa Mãe, Mãe da Igreja, exemplo de fé e humildade, Maria modelo de mulher, de esposa, mãe e rainha do universo. Maria templo do Espírito Santo, Igreja viva e actuante. Maria que ama e confia, que caminha firme na fé e, nas suas aparições, convida-nos a seguir os Seus passos, toma a nossa mão e conduz-nos a Jesus.

Estas são apenas algumas das enumeráveis graças que tenho recebido no Renovamento Carismático Católico e desejo ardentemente que elas se estendam a toda a humanidade. Graças que eu não me canso de agradecer, graças que todos aqueles que vivem o Renovamento a sério receberam também e, que se não as exercem no seu dia a dia, é porque ainda não tomaram posse delas. Mas é urgente tomar consciência de que essas graças nos foram dadas para ajudarmos ou outros. Confesso que depois de receber a efusão do Espírito Santo, comecei a sentir um desejo irresistível de transmitir a toda a gente a felicidade que trazia dentro de mim. As pessoas pareciam-me mais belas, mais familiares, mais íntimas, não porque elas tivessem mudado, mas, simplesmente, porque eu as amava no amor de Jesus. Era como se Jesus quisesse abraçar a Humanidade inteira através de mim. Este amor era de tal ordem que impulsionava também meu esposo e juntos íamos todas as noites, de casa em casa, rezar com as famílias, levando connosco a cruz da unidade e um círio pascal previamente benzido para esse fim. 

Foi assim que nasceram grupos de oração carismática paroquiais, porque algumas dessas famílias juntaram-se a nós e começámos a reunir semanalmente na Igreja. Assim, depois de formarmos o nosso próprio grupo e estarmos integrados na comunidade Pneumavita, pensámos que isso nos bastava e que iríamos descansar um pouco. Mas não… o fogo do Espírito Santo ardia dentro de nós e queria mais e mais. Assim inspirados lançámo-nos na fundação da Universidade de Lisboa para a Terceira Idade - ULTI. Esta obra de voluntariado social cresceu, desenvolveu-se e está produzindo os seus frutos. Não tão bons como Deus desejaria, mas para já é assim. Estou crente que, mais cedo ou mais tarde, a vontade de Deus será feita.

 

Laura Maria de Castro Gomes Ferreira,
fundadora da ULTI

 

 

[página anterior]