O Renovamento Carismático Católico em Lísboa

 

 

Para que a História dos Primórdios não se confine aos primeiros meses da sementeira, como servo que o Espírito Santo quis usar, vou tentar, de modo muito sintético, descrever os lugares, os tempos e os modos da difusão do Renovamento entre nós. Para isso vou servir-me das minhas memórias e dos relatos arquivados em PNEUMA. É na Revista PNEUMA e nos Arquivos de PNEUMAVITA que se podem encontrar os relatos, os testemunhas e a documentação dos Primórdios do Renovamento Carismático Católico em Portugal ...

Como nos Estados Unidos, também em Portugal o Espírito Santo escolheu uma Casa Espiritana, onde fez o ninho para o nascimento e difusão do Renovamento: "Veio para o que era seu..." Esta Casa da Congregação do Espírito Santo, chamada Comunidade Espiritana da Estrela, situa-se na Rua de Santo Amaro à Estrela, ali mesmo à sombra da Basílica consagrada ao Sagrado Coração de Jesus, na Paróquia da Lapa.

Desde 1954 a 1966 eu fiz parte desta Comunidade Espiritana, dedicando-me de alma e coração, entre outras tarefas, à Animação Missionária, através da L.I.A.M. (Liga Intensificadora da Acção Missionária) e à Redacção do Jornal Acção Missionária e de outras publicações. De 1966 a 1973 trabalhei no Porto, também na Animação Missionária, como Director das Vocações e na pastoral da Juventude.

Em 1973-1974 (como já contei), durante o Ano Sabático que me foi proporcionado pelos meus Superiores, estive em Roma, fazendo uma reciclagem teológica e pastoral na Universidade Gregoriana. O melhor que me aconteceu em Roma foi ter encontrado e deixar-me envolver, até à medula dos ossos, pelo Renovamento Carismático, fenómeno religioso moderno, nessa altura ainda sem ressonância em Portugal. Vendo no Renovamento, não um movimento, mas uma Espiritualidade Universal, centrada no Espírito Santo, a quem os Espíritanos estão de modo particular consagrados, escrevi, de Roma, vários artigos para o jornal espiritano Acção Missionária. O primeiro artigo que escrevi no mês de Maio de 1974, intitulado "Pentecostalismo entre os Católicos" teve grande impacto e algumas contestações...

Recém-chegado a Lisboa (Setembro de 1974) para continuar, como antes, o trabalho de Animação Missionária eu sentia necessidade de reunir em oração carismática com um pequeno "grupo do coração" com a certeza de que a oração carismática iria fortalecer e fecundar o meu trabalho pastoral... 

Três meses de cenáculo em pequeno grupo

A faúlha do Espírito que, em Roma, me iluminou, aqueceu e reanimou espiritualmente, impelia-me, suave e fortemente, a abrir as portas do coração para que se pudesse propagar... Continuamente ressoava em mim a palavra de Jesus: "
Eu vim trazer o fogo à terra e só desejo que ele se propague" (Lc 12,49).

Entre os numerosos amigos e colaboradores das Missões, depois de rezar e discernir, escolhi alguns para orar e partilhar... Se bem me lembro convidei o Dr. Manuel Rodrigues Teixeira que fez o Noviciado e os estudos na Congregação do Espírito Santo. Só não foi ordenado sacerdote porque nas vésperas da ordenação diaconal foi acometido de epilepsia. Durante algum tempo lecionou filosofia no Seminário Espiritano de Fraião, em Braga. Como os ataques continuavam foi aconselhado pelos Superiores a desvincular-se dos votos religiosos, ficando, no entanto, vinculado, livre e generosamente, à Congregação nos trabalhos administrativos da Acção Missionária. Mais tarde veio a casar com a liamista D. Maria da Paz. Foi o primeiro casal a aderir ao Renovamento Carismático. Os outros convidados foram os seguintes: Maria Antónia Paiva e Maria do Carmo Carvalho (Liamistas na zona de Alvalade), Henrique Luis da Silva (aluno do Instituto Superior Técnico), Maria da Ascensão Santos (estudante de Medicina), Albertina Marques (estudante de Arquitetura), Cristina Cunha (Liamista do Lumiar) e o casal amigo Alberto Parreira e Maria dos Prazeres...

De Outubro de 1974 a Janeiro de 1975 este "grupo de oração" reunia, frequentemente, (ainda antes de se iniciar o Renovamento em Fátima) na pequena sala de visitas da Casa Nova dos Missionários Espiritanos, na Rua de Santo Amaro à Estrela, nº 51. Estes três meses de oração, partilha e estudo foram tempo de Cenáculo durante o qual o Espírito Santo nos preparou, sem o sabermos, para o Novo Pentecostes que iria acontecer na diocese de Lisboa.

Primeira reunião de porta aberta em Lisboa (5 de Janeiro de 1975)

Foi no Domingo da Epifania, festa iminentemente missionária, que o Senhor nos impeliu a abrir as portas deste pequeno Cenáculo e a realizar uma Reunião/Assembleia na Sala de Cima desta Casa Espiritana, verdadeiro ninho do Renovamento Carismático em Portugal. O primeiro encontro em Fátima, em 6 de Novembro de 1974, e a primeira Assembleia aberta no Salão da Casa de Retiros de Nossa Senhora do Carmo no 2º Domingo de Dezembro (que coincidiu com a Festa da Imaculada Conceição, em tempo de Advento) começou a ter ressonância em vários pontos do País, concretamente em Lisboa. O pequeno grupo de Lisboa que me acompanhou várias vezes a Fátima, discerniu que era bom abrir as portas, pois que "
esta graça era não só para nós mas também para todos quantos de perto ou de longe ouvirem o apelo do Senhor nosso Deus" (Act 2,39).

Na tarde daquele dia 5, Festa da Epifania, foram abertas as portas do grande Salão de conferências, recolecções e actividades para a LIAM e Juventude Missionária... O Salão comporta 300 pessoas mas, com vários biombos, podia-se adaptar para grupos mais pequenos. Para esta actividade, com o número de presenças imprevisíveis, o salão foi dividido ao meio: a secção de entrada seria para a 1ª reunião informal; a outra, mais recolhida e adornada seria para a celebração da Eucaristia.

O acolhimento para este encontro iniciou-se às 15:00h, enquanto um grupo de alguns irmãos, intercediam, junto do Santíssimo, pelos frutos desta reunião carismática. As pessoas, vindas de várias partes, começaram a entrar e pelas 15:30h enchiam aquela parte da Sala. Eram cerca de 120 pessoas: Liamistas, Religiosas/os, Seminaristas, Leigos de vários movimentos e um pequeno grupo de Sacerdotes. Entre estes estava o P.e António Fernandes, Beneditino, acabado de chegar dos Estados Unidos, onde estivera em actividades pastorais, tendo aí encontrado vários grupos de oração de língua inglesa. Foi uma surpresa agradável e daí em diante será, em comunhão connosco, um óptimo colaborador. Entre as religiosas estavam algumas Irmãs Oblatas do Coração de Jesus, da Comunidade Colégio da Rua das Praças, da paróquia de Santos o Velho. Entre elas a Irmã Rosa Brun que com sua irmã de sangue, também das Irmãs Oblatas, a residir no Porto fizeram uma experiência carismática em França (Tours) em Julho do ano anteriror.

Atendento ao número imprevisto de tantos irmãos, depois de ter ensinado, o "Eu Louvarei" e outros cânticos do Renovamento, criando clima para o Cenáculo deste dia de Epifania, resumindo, contei a história do início do Renovamento Carismático, na Universidade Espiritana de Duquesne (Pittsburg-USA) e relatei um pouco a minha experiência e caminhada, em Roma, no Grupo de língua francesa "
Hossanna". Referi também a experiência iniciada em Fátima, no dia 6 de Novembro de 1974 e o modo como o Renovamento se estava a propagar naquela diocese de Leiria-Fátima.

Também o P.e António Fernandes relatou um pouco o que havia presenciado nos Estados Unidos e a Irmã Rosa partilhou a sua experiência em França. Estes dois testemunhos, inesperados, foram graças que iluminaram e fortaleceram este primeiro encontro, em Lisboa.

Depois de um breve intervalo reunimos, em Assembleia Eucaristica, na outra parte da Sala preparada para o efeito. Ninguém arredou pé e aquela Eucaristia da Epifania foi o ponto alto deste Encontro.

O clima que se vivia era de profunda alegria e comunhão fraterna. A Epifania (manifestação do Alto) que atraiu os Magos ao encontro de Jesus na Judeia foi também para todos nós uma manifestação da glória do Senhor. Toda a Assembleia teve consciência profunda da presença viva de Cristo em nós e entre nós derramando sobre a Comunidade, de modo imprevisível, uma grande efusão do Seu Espírito. Como os Reis Magos, em sintonia com a Eucaristia, naquela Casa Missionária, à sombra da Basílica da Estrela, também as pessoas cantavam e rezavam: "Vimos a Sua Estrela no Oriente e viemos com presentes adorar o Senhor..." (Mt 2,2)

A celebração litúrgica terminou com um tempo de partilha fraterna. Cada um, à sua maneira, partilhava a experiência vivida e cantava-se com alegria e entusiasmo "
Eu louvarei, eu louvarei, eu louvarei, eu louvarei o meu Senhor!..."

A Assembleia pediu para que se continuassem a realizar estas reuniões. Alguns até pediam todos os Domingos. De comum acordo, salvaguardando a reunião semanal do pequeno núcleo que já reunia desde Outubro do ano anterior, e sobre o qual pesava a responsabilidade de preparar em oração, jejum e discernimento, futuros encontros, em união com Fátima, ficou assente que a próxima Assembleia (de porta aberta) se realizaria no primero Domingo de Fevereiro, dia 2, por coincidência festa da Apresentação e do Venerável Padre François Libermann, um dos fundadores da Congregação do Espírito Santo.

Todos concordaram com a data. A todos foi dito que não haveria telefonemas, nem circulares a convocar e avisar as reuniões carismáticas. A vivência e o testemunho pessoal seriam o convite mais eficaz......