O TESTEMUNHO DE PATTI GALLAGHER

 

 

1 - "Dei-lhes a conhecer o Teu nome e dá-lo-ei a conhecer, para que o amor com que me amaste esteja neles e Eu esteja neles também" (Lc 17, 26)

Patricia Gallagher (mais conhecida por Patti) foi criada num lar católico e, quando chegou a altura de ir para a universidade, resolveu escolher uma universidade católica onde pudesse estudar teologia e relacionar-se com outros jovens católicos, tendo acabado por receber uma bolsa de estudo para a Universidade do Espírito Santo de Duquesne, em Pittsburgh.

Sentindo dentro de si um desejo enorme de conhecer a Deus de uma maneira mais profunda, inscreveu-se na associação Chi Rho, tendo começado a tomar parte nas actividades desenvolvidas, actividades que incluiam sempre um retiro na Quaresma. Era a primeira vez que ía a um retiro e, se por um lado se sentia atraída pela perspectiva de poder aprender a amar a Deus mais e melhor, por outro lado tinha medo do que Deus lhe pudesse pedir, embora achasse que isto de Deus pedir era só para pessoas muito especiais. A leitura de "A Cruz e o Punhal", aconselhada a todos os participantes no retiro, impressionara-a profundamente e também ela desejava ser guiada pessoalmente pelo Senhor. E, ajoelhada no seu quarto, rezou assim: "Senhor, eu acredito que já recebi o Espírito Santo no Baptismo e no Crisma mas se o Teu Espírito pode operar melhor na minha vida, então eu quero receber o Espírito Santo".

Estavam programadas quatro palestras para o retiro, cada uma sobre um dos quatro primeiros capítulos dos Actos dos Apóstolos. O tema da segunda palestra seria "O senhorio de Jesus e a efusão do Espírito Santo". Patti não reagiu muito bem quando soube que esta palestra iria ser feita por Flo Dodge, uma senhora que ninguém conhecia, e a sua decepção aumentou quando a senhora iniciou a intervenção dizendo que não sabia bem o que dizer mas que, em oração, tinha pedido ao Espírito Santo para a conduzir. E Patti pensou: " Que falta de consideração não ter preparado a palestra antecipadamente!" Depois, quando Patti a ouviu dizer que conhecia Jesus Cristo pessoalmente, pensou que ela estava a falar em sentido figurado, e voltou a não acreditar quando a conferencista disse que também nos dias de hoje as pessoas podiam experimentar o poder do Espírito Santo nas suas vidas. 

No entanto, à medida que a conferência progredia, foi-se sentindo a acção de Deus e, antes do final, já Patti, ansiosamente rendida, escreveu no bloco de apontamentos: "Jesus, torna-te vivo para mim!"

2 - "Eis que vos enviarei o Prometido de meu Pai. Por isso, permanecei na cidade até serdes revestidos da força do Alto" (Lc 24, 49)

À palestra seguiram-se pequenos grupos de partilha e os alunos interrogavam-se: por que razão ouvimos falar tanto em receber Jesus e o Espírito Santo se já Os recebemos no Baptismo e no Crisma? O professor conselheiro que ficou no grupo da Patti respondeu que era preciso reactivar aquilo que já lhes tinha sido dado nos sacramentos. E lançou esta pergunta: "Quem é Jesus na vossa vida?" Foi como se ela tivesse recebido uma pedrada. Afinal, embora conhecesse e amasse Jesus e quizesse conhecê-l'O ainda melhor, Jesus não estava no centro da sua vida. E decidiu que chegara o momento de pôr Jesus no lugar que lhe era devido. Outra pergunta do professor: "Estão preparados para o que o Espírito Santo vos possa fazer?" Patti apontou no bloco: "Estou mas tenho medo". E mais tarde acrescentou: "Quero um milagre!" A terceira pergunta do professor ficou sem resposta: "Estão prontos para fazer o papel de tolos?" 

Um jovem do grupo chamado David sugeriu que, do mesmo modo que as promessas baptismais são renovadas na vigília pascal, talvez pudessem encerrar o retiro com uma cerimónia em que renovassem o Crisma. A esta proposta apenas aderiu a Patti.

Para a noite daquele sábado estava programada uma pequena festa de aniversário mas, um pouco antes, faltou a água e não era possível encontrar um canalizador, o que pôs em risco a continuação do retiro. Alguns alunos foram para a capela rezar para que a água voltasse, caso contrário não havia condições para ali permanecerem. Na Sagrada Escritura a água é um dos símbolos do Espírito Santo e por isso, quando a água voltou, os estudantes sentiram que a vontade de Deus era que eles ali continuassem. 

3 - "Mas, como está escrito, são coisas que nem o olho viu, nem o ouvido ouviu, nem jamais passou pelo pensamento do homem o que Deus preparou para aqueles que O amam"(1Co 2, 9)

Uma vez regularizado o abastecimento de água, Patti foi pela casa tentando reunir os estudantes para a tal festa e foi também à capela chamar quem lá estivesse. Logo que se ajoelhou em frente do Santíssimo, todo o seu corpo começou a tremer e ela sentiu-se como que mergulhada no imenso mar do amor santo e majestoso de Nosso Senhor. Pela primeira vez, sentiu a graça do verdadeiro encontro pessoal com Jesus vivo e ressuscitado. Totalmente seduzida e sem qualquer reserva, fez-Lhe a entrega incondicional da sua vida: " Pai, o que quer que seja a Tua vontade, essa será a minha escolha, mesmo que isso signifique sofrimento. Ensina-me a seguir Teu filho Jesus e a amar como Ele ama". Sem saber como, viu-se prostrada, com o rosto no chão e sem sapatos, tal como Moisés diante da sarça ardente, e o amor misericordioso de Deus sempre a inundá-la. 

Ali permaneceu a rezar e, apesar de lhe apetecer continuar a gozar a beleza e a doçura daquela presença plenificante, apetecia-lhe também sair do cenáculo e ir partilhar com os outros esta experiência do Deus vivo que se lhe revelara. Foi ter com o capelão, a quem relatou o que acabara de lhe acontecer, e ele contou-lhe que, uma hora antes, o David tinha vivido uma experiência semelhante também na capela. Perante a admiração de Patti por ter sido escolhida pelo Senhor, ela que era uma pessoa tão insignificante, o capelão lembrou-lhe a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém montado num burrinho e também que Deus elege sempre os que menos são. E Patti pensou que, para se manifestar naquele momento, Deus a tinha eleito, assim como ao David, precisamente os dois alunos que tinham concordado em renovar o Crisma, mesmo que mais ninguém quisesse. 

No regresso para a capela, Patti encontrou duas raparigas que lhe perguntaram o que é que lhe tinha acontecido porque estava com uma cara diferente, brilhante. A sua resposta foi imediata, ela que ainda muito recentemente tinha medo de falar de Jesus: "Acontece que acabo de experimentar pessoalmente tudo aquilo de que temos estado a falar durante este fim de semana. Venham comigo!" Entraram na capela, Patti começou a rezar em voz alta pedindo a vinda do Espírito Santo, mais alunos foram entrando e uma série de coisas de Deus foram acontecendo no meio daqueles universitários: rezavam, cantavam, choravam de alegria, sentiam um queimar de fogo a subir pelos braços e sons desconhecidos a saírem da garganta. O amor de Deus era tão intenso que perderam a noção que o tempo tem na terra e permaneceram na capela a rezar até que, de madrugada, foram mandados para a cama. 

Patti, transbordante de deslumbramento pelo que Deus tinha feito nela e nos seus amigos, não conseguia pegar no sono. Abriu o livrinho de orações a esmo e eis o Magnificat. A partir de então, este belo hino de louvor passou a ser, também, a sua canção de louvor, que faz questão de rezar diariamente e em todas as palestras. 

4 - "Os meus planos não são os vossos planos, os vossos caminhos não são os Meus caminhos"(Is 55,8)

No dia seguinte, Flo Dodge voltou à casa de retiros e Patti abraçou-a com gratidão, sentindo nela não mais a estranha, mas a irmã em Cristo cujas palestra e orações tanto tinham ajudado àquele Pentecostes na capela. 

De volta à universidade, Patti foi percebendo que estava a descobrir veredas novas que davam todo o sentido à sua caminhada e poderosos cambiantes à sua prática cristã: a certeza de Jesus Cristo no centro da sua vida e do Espírito Santo a actuar suscitando o surgimento de dons espirituais, a fluência da oração espontânea, a força da adoração e do louvor, uma alegre ansiedade que a fazia querer partilhar tudo isto em comunidade e sair para o mundo a proclamar. Cada dia era um dia com novas descobertas a respeito do Senhor e, onde quer que estivesse, sentia-se a possuir Deus e a ser por Ele possuída. Sobre o espaço privilegiado que a Bíblia passou a ocupar na sua vida, Patti diz assim: "Uma das coisas mais surpreendentes que aconteceu comigo logo depois do fim de semana foi que o Espírito Santo começou a ensinar-me directamente, quase sempre através das Sagradas Escrituras. Aproximei-me do Senhor como uma criança carente de instrução e Ele se revelou para mim". 

Tendo sentido (e Deus confirmou-o rapidamente com palavras de profecia) que a sua vida tinha que dar prioridade à obra directa da evangelização, Patti deixou que o Senhor a usasse como testemunha: na família, entre os amigos, no campus universitário de Duquesne e também noutras universidades. Mas à medida que os dias passavam, muitos olhares de desconfiança começaram a surgir à sua volta, não só da parte de familiares e amigos íntimos, mas também de professores e dos próprios padres da universidade. Então Patti decidiu pesquisar todas as referências ao Espírito Santo e carismas nos documentos do Concílio Vaticano II e encontrou frequentes passagens que a encorajavam a seguir em frente porque neles a Igreja estava a dizer-lhe que a sua experiência do Espírito Santo era válida.

No domingo de Pentecostes desse ano (14 de Maio de 1967) uma profecia que o Senhor pôs no coração da Patti veio tornar clara a Sua vontade:" O meu Espírito é para todos os homens. Eu prometi, eu darei. Abri os vossos olhos, os vossos corações e as vossas mãos e levantem-nas para mim". Deus queria que o testemunho da majestosa movimentação do Espírito Santo vivenciada naquele retiro de fim de semana trouxesse mais homens e mulheres para o Seu serviço, cristãos verdadeiros que acolhessem Jesus Cristo e Lhe entregassem as suas vidas com uma disponibilidade total para que Ele nelas pudesse viver .

5 - "Envio-vos como cordeiros para o meio de lobos"(Lc 10, 3)

O fim do ano escolar aproximava-se e Patti e os outros continuaram a experimentar o peso da condição de discípulos. A dose de sofrimento e de rejeição ia aumentando. Mas a palavra do Senhor vinha constantemente mostrar-lhes o caminho: "Eis que nós deixamos tudo e Te seguimos" (Marcos 10, 28-29); "Deixa que os mortos enterrem os mortos; tu, porém, vai anunciar o reino de Deus" (Lucas 9, 57-62); "Erguei os olhos e vede: os campos estão prontos para a ceifa" (João 4, 35). Em profecia, o Senhor continuava a dizer-lhe: "Confia em mim. Se confiares, todas as promessas serão cumpridas. Escuta a minha voz. Entrega-te totalmente ao meu amor. Sê constante na oração. Persiste e viverás na minha força. Não te assustes se as pessoas te odiarem por causa das coisas novas que eu farei em ti. Conhece-me. Conhece-me. Conhece-me."

Acompanhada por outros jovens que também tinham recebido a efusão do Espírito Santo, Patti passou as férias de Verão a evangelizar: primeiro, junto dos rapazes e raparigas que viviam nas ruas em Mont Vernon (Nova Iorque) e, na parte final, em várias universidades. A acção do Espírito Santo continuou a trabalhar nela através de profecias, encontros com determinadas pessoas e acasos que não eram acasos, e o Senhor foi acentuando sempre mais e mais a sua convocação para ser apóstola, realizando nela e através dela maravilhas de graças. Patti estudou para ser professora de Francês mas nunca praticou. Depois de licenciada, continuou a empenhar-se totalmente no ministério religioso e, em 1971, começou a trabalhar a tempo inteiro para o Renovamento Carismático, nessa altura em fase de explosão de crescimento. No ano de 1973, durante a Conferência Nacional Católica Carismática nos E.U.A., o Senhor lançou uma profecia a todos os presentes: " O que vedes diante dos olhos é somente o começo".

6 - "Deleita-te no Senhor e Ele realizará os desejos do teu coração" (Sl 37,4)

Para Patti, mais uma das grandes graças da sua vida pessoal foi o casamento com Al Mansfield. Durante anos pediu ao Senhor que lhe desse um marido cheio do Espírito, o Senhor prometeu-lho e cumpriu a promessa. Casada e com quatro filhos, viajou por todo o mundo a testemunhar, juntamente com Al, a acção grandiosa e contínua do derramamento do Espírito Santo sobre a humanidade. Hoje continua a servir a Igreja Católica através do Renovamento Carismático. Toda a família e a maior parte dos amigos receberam a efusão do Espírito Santo, fogo do Pentecostes e nova lei para o coração de todos os homens e mulheres que querem seguir a Cristo, conforme nos diz S. Paulo na primeira carta que escreveu aos Tessalonicenses: "Não extingais o Espírito, não desprezeis as profecias e retende tudo o que for bom(1 Tes 5, 19).

 

Isabel Moraes Marques

 

 

[página anterior]