Os Papas Leão XIII e João XXIII

 

 

Já desde os finais do século XIX, o Papa Leão XIII tentou sensibilizar a Igreja para a acção e a presença do Espírito Santo. Nisto teve uma grande intervenção uma religiosa chamada Soror Elena Guerra, fundadora das Irmãs Oblatas do Espírito Santo, cuja finalidade era promover a devoção ao Espírito Santo. Entre 1895 e 1903, Soror Elena escreveu doze cartas a Leão XIII, pedindo-lhe uma prédica renovada sobre o Espírito Santo. E o Papa acedeu aos seus pedidos. Leão XIII publicou a encíclica Provida Matris caritate, em que pedia a toda a Igreja que celebrasse uma novena solene ao Espírito Santo, entre a Ascensão e o Pentecostes. Soror Elena começou, então, a formação de grupos de oração, a que chamava Cenáculos permanentes, para pedir a vinda do Espírito. Leão XIII voltou a publicar outra encíclica sobre o Espírito Santo, intitulada Divinum illud munnus. Mas não teve a ressonância nem a aceitação que seriam desejáveis.  

 

Por sugestão de Soror Elena Guerra, na noite de 31 de Dezembro de 1900 Leão XIII convidou os católicos de Roma para uma vigília de oração. Quando na Basílica de S. Pedro deu a meia-noite, o Papa entoou o hino Veni Creator Spiritus. O século que começava foi posto sob protecção do Espírito. Era como um bom presságio. Naquele mesmo dia, em Topeka (Kansas, Estados Unidos), teve lugar uma acção extraordinária, que marcou o início do pentecostalismo.  

 

João XXIII pode ser considerado o Papa que preparou o terreno ao Renovamento na Igreja católica. Patti Mansfield conta no seu livro Como um novo Pentecostes que, quando Angelo Roncalli (futuro João XXIII) era bispo, foi visitar uma pequena cidade na Checoslováquia, com cerca de 300 habitantes. Vivia ali uma senhora, chamada Anne Mariae Schmid, que tinha conhecido Patti e que lhe contou os factos que se seguem. Durante vários séculos, os habitantes daquela aldeia tinham experimentado quase todos os carismas de que São Paulo falava na Carta aos Coríntios. Havia carismas de profecia, de línguas, de cura, de discernimento dos espíritos. Quando um adoecia, todo o povo rezava por ele, esperando a cura de Deus. As famílias permaneciam unidas, reinava o amor e a paz, a Sagrada Escritura era lida nas casas e os jovens aprendiam a viver sob o poder do Espírito Santo. As manifestações carismáticas remontavam, segundo o testemunho de Anne Mariae, ao século XI da nossa era.  

O bispo Angelo Giuseppe Roncalli, João XXIII, tomou contacto com este ambiente por volta de 1930. Nessa pequena aldeia era acolhido com alegria. Em 1938 as tropas alemãs mataram a maioria dos seus habitantes. Anne Mariae sobreviveu aos campos de concentração e pôde contar esta bela história.

A primeira pessoa que João XXIII beatificou foi precisamente Soror Elena Guerra, a quem chamou o “apóstolo do Espírito Santo”.

  

 

Pe. Vicente Borragán Mata, OP

      in “Como um Vendaval... O Renovamento Carismático”,ed. Pneuma 

 

 

 

[página anterior]