Foi com grande alegria e emoção que iniciamos a nossa viagem com destino a Fátima.

Depois da oração da manhã, chegamos ao Centro Pastoral Paulo VI, onde após os cânticos de animação e a oração de louvor, se deu inicio a uma representação teatral entre o Bem e o Mal, que a todos comoveu.

Depois do almoço partilhado no Albergue dos Peregrinos a Pé, que nos trouxe muito boas recordações, pois era neste local que nos reuníamos em anos anteriores, dirigimo-nos para a Capelinha das Aparições onde rezámos o terço, com a participação dos mais novos descendentes de duas famílias “Amigos de Jesu”. Foi muito lindo. E foi na presença de Nossa Senhora que fizemos a renovação do nosso compromisso como “Pneuma Amigos de Jesus”

De seguida fomos para a Capela da Ressureição de Jesus, para participarmos da Santa Missa, presidida pelo Padre Tony, a quem queremos agradecer, e que nos trouxe também algumas palavras do nosso querido Padre Lapa.

Voltamos para o Albergue dos Peregrinos a pé, onde lanchamos e voltamos a assistir à peça de teatro, desta vez ainda com maior emoção.

E assim terminou a nossa peregrinação a Fátima, com o coração cheio por podermos estar novamente juntos.

Testemunho

O que mais me emocionou e comoveu, nesta peregrinação a Fátima, foi sem dúvida a representação da peça de teatro. Apenas com música de fundo, acompanhada da passagem de slides, a que se juntou a excelente interpretação mimica dos nossos “actores”.

Uma jovem que, num primeiro contacto com Jesus, se encanta com o que Ele lhe mostra. Mas a uma determinada altura deixa-se seduzir pelas coisas do mundo: bens materiais, dinheiro, sedução, álcool e drogas. Até que, depois de algumas quedas, consegue fixar o seu olhar novamente em Jesus e este estende-lhe a Sua mão, pois em nenhum desses momentos Ele a perdeu de vista. O mal pode-se apresentar de muitas formas, mas Jesus é o Único que consegue derrotar todas elas!

Apesar das lutas que vivemos no nosso dia a dia, não podemos ficar caídos por terra. Temos de nos levantar sempre, pois como diz um amigo meu, nós somos o “sempre em pé”!