As reuniões de oração dos grupos do Renovamento Carismático são um retorno à es-pontaneidade das primeiras comunidades cristãs. Pelos dados que nos fornece o Novo Testamento, vemos que naquelas comunidades sobressaíam os seguintes elementos:

– Louvava-se e celebrava-se o Senhor com salmos e cantos inspirados (Ef 5,19).

– Proclamava-se a Palavra do Senhor e as testemunhas presentes contavam na reunião o que Jesus havia dito e feito (Col 3, 16-17).

– Celebrava-se a “fracção do pão” ou Ceia do Senhor.

– Tomavam o alimento com alegria e simplicidade de coração.

 

A reunião de oração de um grupo do Renovamento Carismático caracteriza-se por cinco linhas de força que o definem e distinguem:

 

1ª Presença de Jesus: Há uma tomada de consciência da presença do Senhor no meio do grupo, cumprindo a Sua promessa: “Onde estiverem dois ou três reunidos em Meu nome, aí estarei no meio deles” (Mt 18, 20). Presença, aliás, com todo o seu poder e o seu amor para curar, iluminar, fortalecer, falar e reconfortar. Esta é a chave da oração do grupo.

 

2ª Abertura ao Espírito Santo: Começa-se sempre invocando o Espírito, e cada membro, assim como todo o grupo, se abre à acção do Espírito que nos leva a experimentar e a sentirmo-nos como filhos de Deus, que nos introduz no mistério e conhecimento de Jesus Filho de Deus e derrama o Seu amor nos nossos corações (Rom 5, 5).

 

3ª Oração de Louvor: É a expressão de tudo o que o Senhor está a realizar em cada um e também no grupo ou na comunidade. Há uma verdadeira necessidade de cantar as maravilhas do Senhor, de louvá-LO, alegrar-nos e regozijar-nos com Ele. Predomina o louvor sobre os outros tipos de oração (petição, perdão, etc.). O louvor tem uma grande força para elevar de imediato o tom do grupo e torná-lo receptivo à acção do Espírito.

 

4ª Comunhão com o Espírito e com Jesus: Ao experimentar que também nos sentimos compenetrados com o Senhor e com os irmãos que participam na reunião, e que nos penetram as palavras e os sentimentos do Senhor. É quando o Senhor começa a construir o grupo e a comunidade, e percebemos como começamos a formar um só corpo com o Senhor e a sentirmo-nos membros uns dos outros, a compadecermo-nos deles, a amá-los: é um amor com o qual o Senhor inunda todo o grupo.

 

5ª Palavra de Deus: Sim, que “a palavra de Deus habite em vós com toda a sua riqueza” (Col 3,16): sente-se como palavra de vida, como mensagem de Deus acolhida com gozo e avidez, que dá alimento a toda a oração.

Aquele que dirige a oração deve estar sempre muito atento para que se mantenham sempre estas linhas de força durante toda a reunião. Se faltar alguma delas, é porque se está a desvirtuar a reunião.